O Obreiro e a Palavra





[twitter style="horizontal"]

[fblike]

A 2ª epístola de Paulo a Timóteo foi escrita em um momento difícil na vida do grande Apóstolo. Ele estava preso, tinha sido abandonado por muitos (2 Tm 1.15), percebia desvios doutrinários (2 Tm 2.17-18) e previa a proximidade de sua morte (2 Tm 4.6-8).

Em meio a esse contexto, escreveu sua carta instruindo o jovem líder Timóteo sobre sua responsabilidade de preservar a integridade do evangelho, e também de transmiti-lo a homens fiéis e capazes de ensinar outros. Em meio a outras importantes instruções, ele escreveu:

Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade. (2 Tm 2.15)

É possível questionar: será que essa recomendação serviu apenas para Timóteo? Ou somente para os líderes de seus dias? Será que é valida somente para lideranças? Certamente não! Tais palavras são valiosas para nós hoje, sejamos líderes ou não. Ao sermos convocados para uma reunião profissional, por exemplo, precisamos observar alguns cuidados. Quanto mais elevada a posição da pessoa com quem iremos nos encontrar, maior é a responsabilidade e maior deve ser o preparo. Para alguém que trabalha em uma grande companhia, um encontro com um diretor pode gerar tensão, ansiedade e expectativas. Agora imagine um encontro com o Rei dos Reis, o soberano sobre toda a terra, aquele que conhece as intenções dos corações e está no controle de todas as coisas, como seria? Como deveríamos nos apresentar diante dele? O povo de Israel, em meio a uma vida de religiosidade vazia e falta de amor, foi advertido pelo profeta: “prepare-se para encontrar-se com o seu Deus, ó Israel” (Am 4.12b).

Devemos apresentar-nos a Deus aprovados, e isso em todo o tempo! Precisamos chegar a Ele como obreiros que estão engajados em Sua obra, que não tem do que se envergonhar. E um dos maiores motivos de vergonha que temos em nossos dias é justamente no manejo da palavra de Deus. Confessamos que temos a verdade, reconhecemos a necessidade dela, mas não nos empenhamos por conhecê-la! E onde podemos alcançar tal conhecimento, senão nas Escrituras que testificam acerca daquele que afirmou ser a verdade?

Paulo escreveu a Timóteo instruindo-o a manejar corretamente a palavra da verdade, conduzindo retamente o ensino do evangelho em meio aos desvios que surgiam. E quanto a nós, será que conhecemos, manejamos bem, e ensinamos a palavra de Deus? Não são apenas os mestres que devem ensinar a palavra, mas todo cristão deve fazê-lo! Ao falar da grande comissão do Senhor Jesus em Mateus 28, muitas vezes acentuamos a importância do imperativo do vs 19: “portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”, mas negligenciamos o versículo seguinte: “ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei” (Mt 28.20a). Como ensinar o que Jesus ordenou se não conhecemos seus mandamentos?

Que a exortação do Apóstolo: “pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina” (2 Tm 4.2) esteja viva em nossos corações e mentes! E que possamos cumprir esse importante chamado em nossas vidas, confiantes na maravilhosa promessa de nosso Senhor: “e eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mt 28.20b).

 

Felipe Lydia
Juventude ICNV Freguesia
[email protected]

Compartilhe você também!
 

Envie seu comentário