Masculinidade Cristã (Parte I)





Esta é uma série de artigos que visa uma discussão sobre o que é a masculinidade e como podemos encontrá-la na Bíblia.

C

amisa Rosa

Faz parte do imaginário popular a vinculação de certas coisas que outrora não possuíam qualquer relação. Um bom exemplo são as cores de enxovais de crianças. Os pais, nervosos e ansiosos, aguardam o conhecimento do sexo do bebê, a fim de escolherem se comprarão tudo rosa (se for uma “menininha”) ou azul (se for um “meninão”). Na dúvida, quando não dá pra saber o sexo da criança, eles não pensam duas vezes: apostam no amarelo ou qualquer outra cor.

Bem, deixando de lado a monotonia dos enxovais monocromáticos, quero discutir um pouco desta relação simples que fazemos de “coisas de homem” e “coisas de mulher”.
O fato é que algumas destas coisas que hoje representam a masculinidade não a definem em sua plenitude. O que resta disto são estereótipos apenas externos, superficiais e vazios. Por conta deste senso comum cultivado por muitos, a sociedade passou a acreditar que o menino, “pra ser homem”, precisa possuir determinado comportamento – ser o “pegador” da turma, ou ganhar respeito batendo em todo mundo, ou talvez mesmo ouvir, vestir e usar certo tipo de música, roupa ou utensílio tipicamente “de macho”.
Pra começar, o conceito da masculinidade não tem relação com a figura do “machão” que aprendemos desde sempre. O que quero dizer é que o termômetro da masculinidade sadia não se mede por estes rasos valores externos, mas por uma medida muito mais subjetiva, interior. Não perca tempo querendo afirmar sua masculinidade apenas indo à academia pra ficar “sarado” pras meninas, ou buscando ser alguém “sexualmente respeitável” diante de seus amigos. Tudo isto de nada vale quando se quer avaliar um homem de verdade.
A essência de ser homem não é nada que se pode fazer, é algo que se pode ser tão somente. Ser homem é ter caráter de homem. Agressividade com quem quer que seja, desvalorização e desrespeito às mulheres, e autoritarismo estão longe de ser características do caráter de um homem. Tais atitudes podem, no máximo, construir um covarde que deseja ganhar espaço através da força e imposição, em vez da sobriedade e equilíbrio nas palavras e ações. Respeito não se impõe, se conquista.
Não existe uma receita de bolo, uma lista com “sete passos pra se tornar um homem”. Existem princípios que devem ser seguidos – coragem e uma responsabilidade benevolente para liderar, sustentar e proteger mulheres, de forma que estas sejam valorizadas como a igreja é para Cristo. Isto determina todo o restante. Tudo passa pelo desejo de ser como Cristo. Aquele que segue estes princípios é, de fato, homem, seja qual for a cor de sua camisa.

Fique na paz!

Por Gabriel Carvalho

Leia também a segunda parte deste artigo!

Compartilhe você também!
 

Discussão2 Comments

  1. Juventude ICNV Freguesia disse:

    Parabéns Gabriel, este texto exemplifica bem a diferença de masculinidade para o mundo e para aqueles que conhecem a Cristo. Mais que esteriótipos sobre beleza e bens materiais, devemos construir um carácter baseado naquilo vemos como único caminho. Assim como Jesus entregou sua vida por nos, precisamos assumir a responsabilidade que nos confiada por Deus.

    (Rômulo da Silva)

  2. [...] post é uma sequência necessária do primeiro desta série, pois quando disse que o que define o homem não são os aspectos exteriores, corri o [...]

Envie seu comentário