Masculinidade Cristã (Parte IV)





Esta é uma série de artigos que visa uma discussão sobre o que é a masculinidade e como podemos encontrá-la na Bíblia.

S

egredo Final

Terminando esta série de artigos, gostaria de oferecer um segredo final. Não há nada de místico ou extraordinário nele, embora seus efeitos sejam profundos: Dependa de Deus!
De nada adianta você ler os artigos anteriores e querer mudar por si mesmo. Sozinhos não conseguimos reverter o quadro, seja ele qual for. Precisamos de Cristo. Ele mesmo disse que sem Ele nada poderíamos fazer. Então já adianto que não dá pra sair por aí achando que, se você seguir os passos certinhos, as coisas sem dúvida acontecerão.

Tudo em nossa vida deve estar submetido a Deus. Mas, fala sério, sempre que a fala de “entregar tudo” a Jesus, a gente é excelente de teoria, mas na prática você não confia muito em deixar as coisas com Deus, achando talvez que você possa fazer as coisas melhor que Ele, ou querendo dar uma “forcinha” pro Senhor. A gente sempre fica com aquela desconfiança: “Será mesmo…?”
Tenho aprendido que nossa incredulidade e desconfiança de Deus surge do fato que não o conhecemos corretamente. Você não vai entregar suas coisas a um estranho. E, para nossa vergonha, Deus tem sido um estranho pra nós às vezes. Conhecer a Deus é a fonte da nossa mudança de rumo no que tange à nossa confiança n’Ele.
Conhecemos uma pessoa ouvindo ela falar e falando com ela. Com Deus é exatamente da mesma forma. O que muda é que ouvir Deus falar traduz-se como Palavra de Deus, e falar com Deus traduz-se como oração. Este é o relacionamento completo com Deus – leitura da Palavra e oração. Nem só falar, nem só agir, mas interagir, se relacionar com Deus.
Não vou mais gastar seu tempo lendo meu artigo – vá logo buscar mais de Deus em Sua Palavra e em oração. Meu desejo é que você seja cada vez mais dependente de Deus e se torne um verdadeiro homem, homem de Deus!

Fique na paz!

Por Gabriel Carvalho

Leia também a terceira parte deste artigo!

Gabriel Carvalho.

Compartilhe você também!
 

Envie seu comentário